Água da população não foi envenenada pela prefeitura de Jardim do Seridó

Compartilhe Viagens

(Fonte: Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Jardim do Seridó)

Durante a reunião realizada no Auditório Mestre Galinho, nesta quinta-feira (21) para discutir a problemática da dengue no município, técnicos da Secretaria Estadual de Saúde Pública (SESAP/RN), também falaram sobre a utilização do produto químico NOVALURON pelos agentes de endemias após o prazo de validade em Jardim do Seridó.

A bióloga/técnica do PECD da SESAP, Márcia Gonçalves de Lima fez uma explanação aos presentes para esclarecer que tanto a IV USARP de Caicó, como a Secretaria Estadual de Saúde Pública tinham conhecimento da utilização deste produto em Jardim do Seridó. “Como não existia mais NOVALURON no estoque do Estado, entramos em contato com o Ministério da Saúde que autorizou a utilização do larvicida nos municípios que ainda existisse, dispensando a realização de aprazamento deste produto”, disse Márcia Gonçalves.

Ela ainda explicou que mesmo após a data de vencimento, esse larvicida ainda tem poder de ação. “As substâncias químicas encontradas nestes tipos de produtos são diferentes, por exemplo, das encontradas nos medicamentos. Segundo dados do próprio Ministério da Saúde, o poder de ação do NOVALURON pode se estender de 1 a 2 anos após o vencimento e o que vai determinar a sua eficácia são as condições ambientais e o tempo de exposição”, afirmou.

A bióloga também descartou qualquer risco de intoxicação na população, pois a concentração de ingrediente ativo encontrado na água está inclusive, abaixo até do recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), para o uso do NOVALURON que vai de 0,01 a 0,05 mg i.a./litro, tendo o Ministério da Saúde adotado a dose de 0,02 mg i.a./litro, ou seja, muito próxima do mínimo autorizado.

“Portanto, afirmo com toda propriedade que a Prefeitura Municipal de Jardim do Seridó não envenenou a água da população, como foi maldosamente publicado na imprensa. E digo mais, para uma pessoa vim a se intoxicar com essa dosagem de NOVALURON seria necessário ingerir 15.000.000 milhões de litros de água tratada, o que seria impossível acontecer”, concluiu Márcia Gonçalves. Em tempo: Ela já havia enviado um parecer técnico ao município.

Por fim, respondendo a uma pergunta de um cidadão, o técnico da IV USARP de Dengue, Francisco Batista de Moura disse desconhecer os motivos que motivaram o presidente do SINDAS/RN a repassar tal informação para esse blog da cidade que divulgou o fato, pois eles precisariam de fundamentação técnica e não simplesmente causar pânico desnecessário na população. “Além de Jardim do Seridó, outros 25 municípios da regional estava usando o mesmo NOVALURON, mas só aqui existiu essa polêmica toda e hoje estamos aqui para mostrar a verdade dos fatos”, assegurou.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *