Acidentes de consumo com eletrodomésticos somam 38% das ocorrências

Revista Deguste

Relatório do Banco de Dados de Acidentes de Consumo do Inmetro aponta que, no segundo trimestre de 2013, o Rio Grande do Norte registrou oito acidentes de consumo. Do total de ocorrências, 38% foram ocasionadas por eletrodomésticos e produtos similares, seguidas por produtos infantis e mobiliário (25% cada) e produtos de cozinha (12%).

 Para o diretor do Instituto de Pesos e Medidas do Rio Grande do Norte (Ipem-RN), Carlson Gomes, o número é baixo, mas não porque não aconteçam acidentes de consumo no Estado, e sim porque não existe o hábito, por parte do consumidor, de efetivar o registro. “A população costuma denunciar mais problemas nos produtos, junto a centrais de atendimento ao consumidor ou a órgãos como o Procon, por exemplo, mas não atenta para a importância do registro quando sofre um acidente de consumo”, conta o diretor.

Acidentes de consumo são causados por produtos ou serviços que, embora utilizados de acordo com as recomendações do fornecedor (manual de instruções, embalagem, rótulo, bula, dentre outros), provocam danos que prejudicam a saúde ou segurança do consumidor. Queimaduras, cortes ocasionados por embalagens inadequadas, choques e quedas são alguns dos exemplos mais comuns.

O ouvidor do Ipem, Frederico Barbalho, lembra que esse registro é essencial para que seja possível mapear as ocorrências, identificar os fatores de risco e encaminhar os dados a uma comissão que propõe políticas públicas, reformulação ou criação de normas técnicas do Inmetro ou até termos de ajuste de conduta assinados pelo fornecedor para aperfeiçoar a segurança de produtos e serviços.  “Nosso principal parceiro nessa busca por melhorias é o consumidor. Por isso, precisamos que ele nos informe em caso de acidentes”, reforça.

REGISTRE

Para registrar qualquer acidente de consumo que tenha sofrido, o consumidor potiguar deve acessar a página do Ipem-RN na internet e clicar no banner “Acidente de Consumo”, que o direcionará imediatamente para a página do Inmetro, onde deverá ser preenchido um formulário. O endereço é o www.ipem.rn.govr.br.

O registro de acidentes de consumo não tem caráter de reclamação. Para formalizar uma reclamação contra produto ou serviço, o consumidor pode entrar em contato com o Serviço de Atendimento ao Consumidor do fornecedor do produto ou com o Procon, que o orientará a respeito.

Setor industrial do RN aumentou quase 10% o consumo de água em setembro

Compartilhe Viagens

Por Juliano Freire, da Assessoria de Imprensa da Caern

 O setor industrial registra o maior crescimento, em termos proporcionais, no consumo de água no Rio Grande do Norte em setembro. Neste período, às fábricas situadas nos 153 municípios atendidos pela companhia estadual de saneamento (Caern) aumentaram em 9,83% o uso do líquido, segundo dados do Sistema de informações para Planejamento da empresa. Em termos absolutos, a quantidade utilizada a mais pelas indústrias foi de 10 milhões de litros. Levando-se em conta todos os segmentos (residencial, comercial, industrial, público e rural) o consumo foi de 9,815 bilhões de litros de água no mês passado. São 334 milhões de litros a mais do que o computado em agosto.  Neste caso, o incremento na utilização do líquido foi de 3,52% de um mês para o outro.

Outro setor com aumento expressivo, percentualmente, foi o do comércio, com 6,32% de agosto para setembro, ou seja, 24 milhões de litros a mais. O residencial, responsável por 86% do consumo geral no Estado, contabiliza um acréscimo de 3,42% acima do aferido no oitavo mês do ano. Em setembro, as moradias usaram 279 milhões de litros além dos 8,165 bilhões de litros consumidos em agosto. O setor público, federal, estadual e municipal, gastou 19 milhões de litros a mais, aumentando sua performance em 2,72%. A menor variação positiva de consumo é a do meio rural, com apenas 0,98%.

Mês passado, a Caern distribuiu 327 milhões de litros de água, diariamente, para 896 mil famílias no Rio Grande do Norte em um total de 771 mil ligações. Na capital, a população consumiu 3,6 bilhões de litros de água nas quatro regiões da cidade, uma média de 120 milhões de litros por dia, o que representa quase 37% da média distribuída a cada 24 horas em todo o Estado. Natalenses utilizaram 194 milhões de litros a mais do que o registrado no oitavo mês do ano. Foram utilizados 6,5 milhões de litros por dia, acima do computado em agosto. Na segunda maior cidade potiguar, o consumo total foi de 992 milhões de litros, 38 milhões acima do ocorrido em agosto.