Você sabe montar uma campanha eleitoral com pouco dinheiro?

Compartilhe Viagens
Jornalista Washington Rodrigues explica, em São Paulo, como o Solidariedade faz comunicação de campanha em Natal

Jornalista Washington Rodrigues e advogado Kelps explicam, em São Paulo, como o Solidariedade faz comunicação de campanha em Natal

O Partido Solidariedade do Rio Grande do Norte sabe fazer campanhas baratas.

E resolveu ajudar as pessoas a criarem suas próprias campanhas eleitorais para que nunca mais tenham que votar em candidatos antigos que lhes disseram a vida toda que elas não poderiam ser eleitas.

Neste fim de semana, 14 e 15 de setembro, foi aplicado o segundo módulo do Lidera +, para 130 mulheres em São Paulo

Neste fim de semana, 14 e 15 de setembro, foi aplicado o segundo módulo do Lidera +, para 130 mulheres em São Paulo

Após cinco campanhas seguidas perseguindo o baixo custo nas eleições, o conhecimento acumulado pelo grupo político organizado pelo advogado e Mestre em Políticas Públicas Kelps Lima está agora sistematicamente sendo distribuído para outras pessoas.

As aulas ensinam como começar, manter e encerrar uma campanha eleitoral de forma saudável, sem comprometer o futuro mandato.

As aulas ensinam como começar, manter e encerrar uma campanha eleitoral de forma saudável, sem comprometer o futuro mandato.

Primeiro, foi a Escola de Jovens Líderes, que elegeu o deputado mais jovem do RN em 2018, rapaz novo e de origem humilde, da zona rural de Mossoró.

Depois veio o movimento Lidera +, onde a expertise desenvolvida no Rio Grande do Norte contribuiu para a formulação do maior movimento partidário de preparação de mulheres para uma eleição que se tem notícia neste momento do Brasil.

Em Natal, o Solidariedade também montou uma escola de vereadores, onde ensina o bê-a-bá de uma campanha eleitoral.

E no final este mês, em Brasília, um quarto curso será iniciado, o PoliticAção, que vai formar homens de vários estados brasileiros no modelo novo de fazer política, com baixo custo e livre das práticas antigas que não combinam mais com o Brasil que se quer no futuro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *